Posts tagged ‘FHC’

Travessia Heroina

Esta semana, fui convidado para a premier do documentário sobre Tancredo Neves, evento badalado, estavam á Serra, Alckmin, Aécio, Ronaldo Fenômeno, Barros Munhoz , Roberto Civita e varias autoridades e empresários…

Sem dúvidas “Tancredo – A Travessia” faz ode ao presidente, a seu poder conciliatório, e principalmente faz o que o Brasil precisa, cria os políticos de bem, nos estadistas que de fato temos a figura do herói do povo.

É claro que tais heróis são humanos e por tanto tem seus pecados como todos.

Tancredo por exemplo, é o exemplo da mineirice, raramente é visto à frente, sempre no backstage, talvez seja o maior articulador de terras tupiniquins e isto fez da transição da ditadura brasileira um exemplo mundial que reflete o jeitinho que o brasileiro dá. Não se pode dizer que ele liderou esta transição, este titulo balança entre Ulysses Guimarães, Franco Montoro ou mesmo Teotônio Vilela, mas é fato que não fosse a articulação de Tancredo Neves nada aconteceria.

  Sou favorável a termos heróis brasileiros, mas não se pode negar que Tancredo fez sim aliança com Deus e Diabo, vendeu-se ( apesar dos nobres princípios) a torto e a direito. Refletindo a historia, não duvido que ele próprio, ciente que o candidato nas diretas seria outro, tenha articulado a não aprovação das mesmas fazendo dele, enquanto senhor dos salões do parlamento fosse o presidente do Brasil.

  Ademais, devo observar que o filme apesar da alta qualidade, já se declara eleitoral quando coloca depoimentos de José Serra que naquele momento era apenas assessor de Montoro e não teve grande participação. Acredito que o fizeram para evitar falatórios, não ficou bem.

O filme fala de um mineiro extremamente amineirado, do bom trato, da conversa boa e da simplicidade, e a produção também é assim: Gal Leônidas e o presidente Sarney deixam de ser as figuras repudiosas que são cotidianamente atacados como inimigos do povo, e se tornam personagens históricos inofensivos e respeitáveis! Neste mérito não entro, de fato tem muito a ensinar, bem ou mal, eles tem muita historia, mas daí a deixá-los agradáveis e bonzinhos, torna patético…

Quero mais é eu continuem fazendo documentários de heróis brasileiros num jeito mineiro que deixa tudo que é daqui belo, nacionalista que ou, quero filme sobre Teotônio, FHC e Assis Chateaubriand…

Só não podia deixar de falar, que o Júlio Semeghini que se sentou a meu lado, pareceu também não estar gostando das gargalhadas da Fafá de Belém, que em dado momento inventou de rir e comer pipoca ao mesmo tempo…. 

 

Anúncios

Democracia na America Latina – Palestra de FHC

Ótima palestra de FHC sobre democracia na América Latina para Vanderbilt Peabody campus Oct. 8, 2007

Dilma Mãos de Tesoura – nº190

O ajuste fiscal anunciado pelo governo Dilma escancara a dificuldade dos governos do PT para lidar bem com recursos públicos. De concreto, a tesoura ceifou investimentos e o Minha Casa, Minha Vida. Desmorona-se, assim, o discurso reiterado pela presidente de que o PAC não seria afetado pela sua marreta. Cai também por terra sua pregação, repetida ao longo da campanha eleitoral, de que “em hipótese alguma” faria um ajuste fiscal nas contas públicas.

O ajuste fiscal anunciado nesta semana pelo governo Dilma escancara a dificuldade dos governos do PT para lidar bem com recursos públicos. Quando o necessário é frear os gastos, como é o caso desde o ano passado, pisa-se no acelerador. Onde é preciso investir mais, como em moradias populares, mete-se a tesoura. Falta aritmética nesta conta.

 O governo precisou de 20 dias para definir como faria o ajuste anunciado em 9 de fevereiro passado. Parece que o tempo não foi suficiente. Dos R$ 53 bilhões divulgados na segunda-feira, apenas R$ 13 bilhões representam corte efetivo, estimou o Valor Econômico. Do restante, a maior parte é mais desejo do que realidade, ou mero blefe.

A redução de gastos prevê corte de R$ 36,2 bilhões em despesas não obrigatórias dos ministérios (inclusive gastos sociais) e R$ 12,2 bilhões em despesas obrigatórias (pessoal, benefícios previdenciários, seguro-desemprego e subsídios). O restante R$ 1,6 bilhão corresponde ao que já foi vetado pela Presidência na lei orçamentária.

De concreto, a tesoura de Dilma ceifou investimentos e o Minha Casa, Minha Vida. O programa perdeu R$ 5,1 bilhões, o suficiente para construir 200 mil moradias. Desmorona-se, assim, o discurso reiterado pela presidente de que o PAC não seria afetado pela sua marreta. Cai também por terra sua pregação, repetida ao longo da campanha eleitoral, de que “em hipótese alguma” faria um ajuste fiscal nas contas públicas.

Informa O Globo que o PAC já vem perdendo recursos desde o ano passado. O programa começou a ter suas verbas desidratadas quando foi aprovado o Orçamento da União para este ano. Desde então, R$ 8,5 bilhões já viraram fumaça: R$ 3,4 bilhões foram extirpados na versão final do OGU e R$ 5,1 bilhões do Minha Casa ruíram agora.

Na realidade, até agora o PAC de 2011 praticamente não saiu do papel. Dos R$ 40 bilhões autorizados, foram efetivamente pagos até hoje apenas R$ 591 mil, de acordo com o sistema de acompanhamento de gastos do Senado. A maior parte investida neste ano é de restos a pagar.

Soterrado numa montanha de escombros, o governo afirma que o corte nas verbas do Minha Casa não afetará sua meta de construir 2 milhões de habitações. Se for levado em conta o que o programa alcançou até agora, é melhor desconfiar também desta promessa.

Recorde-se que o compromisso assumido pelo governo Lula, com as bênçãos de Dilma, era construir 1 milhão de casas. Já se passaram quase dois anos desde então e a meta ainda está distante, muito distante. Segundo balanço divulgado em 12 de novembro do ano passado, menos de 200 mil moradias haviam sido efetivamente erguidas até aquela data.

Em suas demonstrações contábeis, anunciadas há duas semanas, a Caixa preferiu informar apenas que superou a meta de contratações do programa, sem detalhar quando de fato conseguiu construir. Não diz, claro, que foram erguidas menos de 6 mil casas para famílias com renda de até três salários mínimos – faixa em que se concentra o grosso do déficit habitacional do país, estimado em 5,8 milhões de unidades. Equivalem a 1,5% da meta.

Na divulgação das medidas do ajuste fiscal, o governo tentou a todo custo omitir que fazia o inverso do que a presidente prometera a seus eleitores. Mas o ministro Guido Mantega acabou deixando escapar que o arrocho se fez necessário por causa da aceleração excessiva da economia – decorrência direta da escalada de gastos públicos para eleger Dilma.

Também admitiu que, agora, voltará a perseguir a meta de superávit cheia, reconhecendo as mandracarias contábeis dos últimos anos. Mantega sustenta que o ajuste não visa a segurar a inflação. Deveria. Afinal, as projeções dos agentes econômicos não param de subir e levarão o Banco Central a aumentar hoje, mais uma vez, a taxa básica de juros.

O arrocho fiscal agora anunciado já nasce capenga e descalibrado. Nas contas de pé quebrado da equipe econômica de Dilma, não estão previstos, por exemplo, de onde virão recursos para bancar o aumento do Bolsa Família anunciado ontem, o iminente reajuste da tabela do imposto de renda, nem como será feito um novo aporte ao BNDES. É melhor se precaver: com tamanha habilidade, as mãos de tesoura vão acabar ceifando cabeças.

 

iEste e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela.

Jose Serra – Roda Viva

Aécio Neves – Roda Viva

Os 4 Cavalheiros

 

Isso deve ser politica, sem inimigos mas sim adversarios, que tem maneiras diferentes de fazer a mesma coisa: O Bem do povo, pelo pov e para o povo.